segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

CONTÁGIO DO BOCEJO

O comportamento contagioso do bocejo segue um dos grandes mistérios de nossa vida. A natureza do bocejo resulta tão cativante, que existem múltiplas teorias desenvolvidas a respeito.   


Ainda não se sabe exatamente porque o bocejo é contagioso. Aliás, esse é um grande mistério para os estudiosos. A bióloga Débora Hipólide diz, que existe teorias para tentar explicar esse fenômeno, mas não há respostas conclusivas, segundo ela o bocejo seria uma forma primitiva de comunicação entre indivíduos da mesma espécie, para sinalizar mudanças no ambiente. "O bocejo seria uma resposta a necessiade de uma respiração profunda para despertar o corpo", afirma.    
Um estudo sobre o cérebro, do Governo Finlandês, confirmou que o contágio do bocejo é em grande parte inconsciente.
Costuma-se bocejar por cansaço, sono ou aborrecimento, mas pode ser em outros momentos. Ao fazê-lo estica-se os músculos, se lacrimeja, se saliva, abrem-se as trompas de Eustáquio (tuba auditiva) e sucedem outras coisas imprecisas. O bocejo segue seu curso durante uma média aproximada de seis segundos, mas sua duração pode variar entre ao redor de três segundos e meio e superar em muito a média normal, eles chegam em ondas e o intervalo entre um bocejo e outro varia ao redor de 68 segundos.
Ainda que todos os vertebrados bocejem, só os humanos e os chimpanzés tem um bocejo contagioso, por serem duas espécies que desenvolvem uma complexidade social superior ao resto.
No entanto, isto não significa que esteja enfrentando à necessidade de dormir. Os cientistas descobriram que bocejar é um processo que protege nosso cérebro do sobreaquecimento, descobriram que o mesmo serve como um mecanismo de esfriamento do cérebro. No curso do dia, nosso cérebro esquenta-se até ao ponto de queimar, ele só é um terço das calorias que consumimos, para conseguir funcionar de forma mais eficiente, o cérebro precisa ser esfriado, por isso quando uma pessoa boceja, se incrementa institivamente o fluxo de sangue que contribui para o frescor. Através dele melhora a circulação sanguínea e diminui a temperatura cerebral, o que, de acordo com os investigadores, melhora a atenção.  

" O fato de bocejar quando vemos a outra pessoa o fazer se chamar de Ecocinose: Imitação involuntária de gestos vistos em outras pessoas."    


Por:

Juliane Garcia Ferreira
Lilian Ramos Guimarães Nunes
Soraya Martines Siqueira

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

A VAIDADE QUE MATA

Admito que é inata em nós a estima pelo próprio corpo, admito que temos o dever de cuidar dele. Não nego que devamos dar-lhe atenção, mas nego que devamos ser seus escravos. Será escravo de muitos quem for escravo do próprio corpo, quem temer por ele em demasia, quem tudo fizer em função dele. Devemos proceder não como quem vive no interesse do corpo, mas simplesmente como quem não pode viver sem ele. Um excessivo interesse pelo corpo inquieta-nos com temores, carrega-nos de apreensões, expõe-nos aos insultos; o bem moral torna-se desprezível para aqueles que ama em excesso o corpo." Sêneca (filósofo)


Bulimia e anorexia são doenças ligadas à alimentação. As duas podem levar à morte. Nos dois casos, a pessoa desenvolve horror a engordar e se acha gorda, mesmo quando o mais honesto dos seus amigos lhe garante que ela não está. São doenças que acontecem com qualquer tipo de pessoa, e que infelizmente pelas exigências de estética e beleza imposta pela sociedade se tornou muito comum.


BULIMIA
A bulimia é um transtorno alimentar causado por um distúrbio psicológico que acomete geralmente mulheres jovens, se manifestando mais tarde do que na anorexia, por volta dos 18 a 20 anos. A valorização cultural de um estereótipo de beleza "magra" é um dos fatores que contribui para o aparecimento dos transtornos alimentares. Tendo como principais características episódios de compulsão alimentar seguidos de comportamentos compensatórios para evitar o ganho de peso. A pessoa come muito (parece que está com muita fome), sendo que os tipos de alimentos variam, mas geralmente são ricos em gordura e/ou açúcar, após ingerir essa grande quantidade de alimento, sente culpa porque acha que com toda essa comida, ganhou peso. Provoca vômito (esse comportamento de comer muito e depois provocar vômito acontece entre duas a três vezes por semana, nesse processo a pessoa não perde peso, por isso, tanto a família quanto os médicos têm mais dificuldade em descobrir a doença), também toma laxativos ou diuréticos, tudo para tentar se "limpar" do aumento de peso. Uma pessoa bulímica pode também fazer exercícios físicos exageradamente, com o mesmo objetivo, elas vivem em um círculo vicioso de compulsão-purgação. Os episódios de compulsão alimentar ocorrem em segredo, por isso raramente são presenciados por outras pessoas. Alguns deste episódios são previamente planejados, mas geralmente ocorrem de forma impulsiva.




Sinais e Sintomas:
Uma pessoa com bulimia terá várias complicações de saúde, como:

  • Inchaço das glândulas parótidas (como se estivesse com caxumba). Devido aos vômitos provocados;
  • Rosto inchado e dolorido;
  • Amenorréia (falta de menstruação) pelo menos 3 ciclos;
  • Queda de cabelo;
  • Perda de dentes (devido ao acido do vômitos);
  • Vômitos provocados (geralmente logo depois das refeições ou durante o banho);
  • O peso não está muito abaixo nem muito acima do normal, se bem que oscila com facilidade;
  • Calos no dorso dos dedos, principalmente indicador. Essas calosidades são devido a lesões provocadas pelo uso constante dos dedos em atrito com os dentes ao estimular o vômito.
  • Desmaios e fraqueza, devido ao uso de laxantes e diuréticos que provocam um desequilíbio eletrolítico (perda de sais minerais como potássio).
  • Desidratação, dores nos músculos e câimbras;
  • Sangramento do esôfago;
  • Prisão de ventre crônica;
  • Hemorróidas;
  • Rompimento do estômago
  • Problemas no coração.
OBS: É importante ficar atento para aquelas que logo após se alimentarem vão ao banheiro.
Em geral, os bulímicos são pessoas depressivas, com dificulade nos relacionamentos interpessoais, aborrecimentos, dietas restritivas e/ou prolobgadas, e insatisfação e/ou distorção da imagem corporal que se sentem inferiores aos outros. Muitas vezes, a pessoa com bulimia sabe que tem um problema, mas não consegue controlar a doença e a esconde, com vergonha.

ANOREXIA
É um transtorno alimentar caracterizado por uma rígida e insuficiente dieta alimentar (caracterizando em baixo peso corporal) e estresse físico. As mulheres são largamente mais acometidas, entre 90 e 95% dos casos são mulheres. É uma doença complexa, envolvendo componentes psicológicos, fisiológicos e sociedade. Uma pessoa com anorexia nervosa é chamada de anoréxica e pode ser também bulímica. A pessoa anoréxica apresenta um comportamento persistente em manter seu peso corporal abaixo dos níveis esperados para sua estatura, juntamente a uma percepção distorcida quanto ao seu próprio corpo, que leva o paciente a ver-se como "gordo". Apesar das pessoas em volta notarem que o paciente está magro ou muito magro, o paciente insiste em negar, em emagrecer e perder mais peso. O funcionamento mental de uma forma geral está preservado, exceto quanto a imagem que tem de si mesmo e o comportamento irracional de emagrecimento.
O paciente anorético costuma usar meios poucos usuais para emagrecer. Além da dieta é capaz de submeter-se a exercícios físicos intensos, induzir o vômito, jejuar, tomar diuréticos e usar laxantes.Aos olhos de quem não conhece o problema é estranho como alguém "normal" pode considerar-se acima do peso estando muito abaixo. Não há explicação para o fenômeno mas deve ser levado muito a sério pois 10% dos casos que requerem internação para tratamento (em hospital geral) morrem por inanição, suicídio ou desequilíbrio dos componentes sanguíneos.




Sinais e Sintomas:

  • rápida perda de peso;
  • parada do ciclo menstrual;
  • depressão, ansiedade, irritação;
  • desnutrição;
  • desidratação;
  • pele seca;
  • dores de cabeça;
  • pressão arterial baixa;
  • cor roxa nas extremidades;
  • anemia;
  • redução da massa muscular;
  • letargia ( cansaço);
  • intolerância ao frio;
  • osteoporose;
  • infertilidade;
  • ataque do coração.

TRATAMENTO
O tratamento da anorexia continua sendo difícil. Não há medicamentos específicos que restabeleçam a correta percepção da imagem corporal ou desejo de perder peso. Por enquanto as medicações têm sido paliativos. As mais recomendadas são os antidepressivos tricíclicos (possuem como efeito colateral o ganho de peso). Os antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina têm sido estudados mas devem ser usados com cuidado uma vez que podem contribuir com a redução do apetite. É bom ressaltar que os pacientes com anorexia têm o apetite normal, ou seja, sentem a mesma fome que qualquer pessoa. O problema é que apesar da fome se recusam a comer. As psicoterapias podem e devem ser usadas, tanto individuais como em grupo ou em família. A indicação dependerá do profissional responsável. Por enquanto não há uma técnica especialmente eficaz. Forçar a alimentação não deve ser feita de forma rotineira. Só quando o nível de desnutrição é ameaçador. Forçar alimentação significa internar o paciente e fornecer alimentos líquidos através de sonda naso-gástrica. Geralmente quando se chega a isso torna-se necessário também conter (amarrar) o paciente no leito para que ele não retire a sonda. Uma menina com bulimia será tratada por um médico, que fará exames e receitará remédios para ela. Mas ela também terá que fazer terapia, com um psiquiatra ou um psicoterapeuta. O indicado é que até a família do doente faça terapia, porque o apoio dos pais e irmãos é muito importante para a cura. Só assim, lentamente, o doente bulímico poderá deixar a doença para trás. Uma pessoa com bulimia ou com anorexia tem uma doença grave, que deve ser tratada antes que o pior aconteça. Embora algumas meninas se recuperem sozinhas depois de um caso único de anorexia, a maioria poderá ter problemas muito sérios. Os jornais brasileiros já publicaram vários casos de meninas jovens que, infelizmente, acabaram morrendo por sofrer dessas doenças.
O mais importante, é a família estar sempre atenta e constatar um médico de confiança em caso de suspeita de qualquer uma das doenças.


PREVENÇÃO
Infelizmente, não se conhecem métodos eficazes para prevenir patologias como a bulimia e a anorexia. Seria necessário um empenho da sociedade na mudança de certos valores estéticos ligados ao culto do corpo e à magreza, porém existem alguns métodos para evitar sucumbir a esse tipo de comportamento:

  • Procure aceitar-se como você é e o seu corpo. Você não precisa ser, nem parecer uma outra pessoa;
  • Procure a companhia de pessoas que aceitam você como você é, e não pessoas cujo foco esteja em ser magra ou emular modelos;
  • Siga uma dieta saudável, rica em carboidratos, frutas frescas, legumes, produtos lácteos low-fat e carnes magras;
  • Alimente-se em intervalos regulares. Não salte refeições, pois quando você finalmente comer, corre o risco de exagerar;
  • Evite alimentos refinados como farinha de trigo, açúcar e "junk food", ricas em calorias, como bolos, biscoitos, tortas, que têm gordura e açúcar;
  • Exercite-se regularmente, de forma moderada. Se você achar que está se exercitando excessivamente, procure alternativas em outras atividades junto à sua família e/ou seus amigos;
  • Procure ser boa nas coisas que você faz. Você pode alimentar a sua auto-estima através do seu trabalho, dos seus hobbies ou da participação em trabalho voluntário na sua comunidade;
  • Procure conhecer o seu problema através da leitura de livros e de organizações que se dedicam à esse tipo de problema.

Os pais que queiram ajudar suas filhas a passarem ao largo desse tipo de problema, devem começar por entenderem a importância de que elas encontrem o ponto de equilíbrio entre dois fatores que competem entre si: independência individual e envolvimento familiar.


FONTES:



Por:
Lilian Ramos Guimarães Nunes
Soraya Martines Siqueira

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

ENCHENTES: PREVENINDO AS DOENÇAS




Além de todos os estragos, a água das enchentes transbordam rios e carregam consigo lama, lixo e esgoto, inclusive para dentro das casas. Nessas condições ocorrem várias doenças, algumas pelas ingestão de alimentos e água contaminada e outras pelo contato com a mesma. A prevenção e a informação ainda são os melhores tratamentos. Por isso a importância de alertar a comunidade sobre a necessidade de prevenir para evitar problemas de saúde ocasionados pelo contato com a água suja das chuvas, que carregam uma série de bactérias e vírus. Veja abaixo as principais doenças causadas pelas enchentes e fique em alerta com sua saúde para qualquer sinal de alteração, se necessário procure a unidade de saúde mais próxima.

Leptospirose

O que é: A leptospirose é uma doença infecciosa, causada por uma bactéria chamada Leptospira, presente na urina de ratos, bois, porcos e cães. Está diretamente ligada às enchentes e é extremamente letal.
Transmissão: A leptospirose é transmitida ao homem através do contato com a pele. Por isso, em época de chuvas, o número de casos aumenta: a urina de roedores dos bueiros e esgoto se mistura à água da chuva e de córregos nos alagamentos.
Sintomas: Os primeiros sintomas são semelhantes aos da gripe e da dengue: febre, dor de cabeça e dores pelo corpo (principalmente na panturrilha). Os pacientes também costumam apresentar vômito, diarréia e tosse.
Prevenção: Evite contato com a água das enchentes. Use água sanitária que mata a Leptospira e deve ser usada para desinfetar reservatórios de água, locais e objetos que podem ter sido contaminados. Utilize um litro de água sanitária para mil litros de água.Combata os ratos, armazenando corretamente alimentos e dando o destino correto aos lixos.

Hepatite A



O que é: A hepatite é uma doença aguda causada pelo vírus tipo A.Transmissão: Normalmente de pessoa para pessoa. O agente da infecção é encontrado nas fezes do doente e a contaminação acontece devido à manipulação de objetos, água ou alimentos.
Sintomas: Mal-estar, febre baixa, náuseas, dor abdominal e icterícia (cor amarelada na pele e olhos). A urina pode ficar escurecida e as fezes mais claras.
Prevenção: Lave bem as mãos, desinfete objetos, bancadas, chão, berços, camas e utensílios, com água sanitária e controle o destino dos dejetos como fezes e fraldas.

Doenças Diarreicas

O que são: São doenças causadas por microorganismos presentes em fezes humanas e animais; onde a que mais acomete a população é a Cólera.
Transmissão:
Doenças diarréicas acontecem quando a pessoa bebe água e alimentos contaminados por fezes humanas ou de animais, ou por água contaminada de enchentes.
Sintomas: Mal-estar geral, febre, dor abdominal, náusea, vômito, diarréia (aquosa, com muco ou sangue). Pode ocorrer desidratação.
Prevenção: Realizar o tratamento da água ingerida e utilizada nos alimentos e higienização das mãos.

Doenças Transmitidas por Alimentos

O que são: São doenças causadas por parasitas, a Febre tifóide é a com maior incidência.
Transmissão: Durante as enchentes e inundações, esses microorganismos e parasitas, presentes em esgotos, podem se misturar à água e à lama das enxurradas. A Febre Tifóide é
transmitida através da ingestão de alimentos ou água contaminada, o mais comum, ou então pelo contato direto com os portadores, através de um beijo por exemplo. Seja qual for a origem a única porta para a sua entrada é a via digestiva.
Sintomas: Vômito, diarréia, dor abdominal, dor de cabeça e febre.
Prevenção: Jogue fora todo alimento que teve contato com água da enchente. Lave todos os utensílios e superfícies que tenham contato com alimentos. Prefira comer alimentos cozidos, se não for possível, lave os alimentos com água potável e deixe de molho em água com cloro por 15 a 20 minutos, seguindo a receita: diluir uma colher de sopa de água sanitária em um litro de água. Lave bem as mãos antes de preparar os alimentos. Beba sempre água potável. Guarde os alimentos em recipientes bem fechados. Tenha muito cuidado com a água utilizada no preparo da alimentação dos lactentes (menores de um ano). Não use água de poço. Esvazie a caixa-d’água. Esfregue as paredes da caixa-d’água com escova e pano limpo. Coloque 1 litro de água sanitária (hipoclorito de sódio 2,5%) para cada 1.000 litros de água. Depois deixe por período de duas horas e esvazie a caixa-d’água.

Dengue

O que é: A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus. No Brasil, os dois tipos mais comuns são: dengue clássica e dengue hemorrágica. Ela é considerada uma doença pós enchente onde esta água se acumula dentro de imóveis, terrenos baldios, recipientes ... favorecendo meios de proliferação do mosquito.
Transmissão: Acontece pela picada do mosquito Aedes Aegypti.
Sintomas: A dengue clássica é a forma mais leve da doença e alguns dos sintomas são: cansaço, febre, dores de cabeça, nos olhos e nas articulações, enjôos e vômito. A dengue hemorrágica começa com os mesmos sintomas, mas eles pioram a partir do terceiro dia, quando começam as hemorragias (sangramentos em vasos ou órgãos) e se não tratada pode levar à morte.
Prevenção: É preciso combater o mosquito. Saiba como: Coloque areia em pratos de vasos de plantas. Deixe garrafas, outras embalagens recicláveis e brinquedos longe da chuva. Após a enchente esvaziar a caixa d´água, lavá-la, tampá-la e verificar se não há rachaduras nas tampas. Faça um furo na parte debaixo dos pneus, para não acumular água dentro deles, ou guarde-os em lugar fechado. Lave tanques e baldes com água e sabão. Não jogue lixo na rua ou terrenos vazios. Remova sempre as folhas que se acumulam nas calhas. Guarde as garrafas vazias sempre de cabeça para baixo. Quando não estiverem sendo utilizados, mantenha os ralos vedados. Jogue areia nos cacos de vidro dos muros que podem juntar água

Tétano

O que é: doença grave causada pela bactéria Clostridium Tetani, que libera diversas toxinas no organismo acometido.
Transmissão: é transmitido a partir da exposição de ferimentos, comuns durante as enchentes, onde há contato do patógeno com a pela lesionada.
Sintomas: A contaminação de feridas com esporos leva a formação de toxinas, que são responsáveis pela doença que caracteriza-se por espasmos musculares . O primeiro sinal de tétano é o trismus, ou seja, contração dos músculos mandibulares, não permitindo a abertura da boca. Depois ocorre rigidez do pescoço, costas, riso causado pelo espasmo dos músculos em volta da boca, dificuldade de deglutição, rigidez muscular do abdome, por opstotóno que é uma forma de espasmo tetânico em que se recurvam para trás a cabeça e os calcanhares, arqueando-se para diante o resto do corpo, suor excessivo, aumento da tensão arterial e por taquicardia. Os espasmos duram de 3 a 4 semanas, e a recuperação completa pode levar meses. Cerca de 30% dos casos são fatais, por asfixia devido a espasmos contínuos do diafragma.
Prevenção: A imunização contra o tétano é a principal forma de prevenção, a partir da vacinação com a DT em adultos e com a DTP/tetravalente ou DT infantil em crianças, mas de qualquer forma, é importante procurar a unidade de saúde, se informar e ficar em dia com a carteira de vacinação. Cuidados com o manuseio de objetos perfuro cortante, e o correto armazenamento dos mesmos, limpeza adequada de feridas, vacinação anualmente de animais, alguns cuidados antes de intervenções cirurgicas e o uso de calçados também são formas de prevenção.

CUIDADOS ESSENCIAIS PARA PREVENÇÃO DAS DOENÇAS DURANTE AS ENCHENTES

Cuidado com a água para consumo humano

Durante uma inundação, é possível que a água não esteja em condição adequada de consumo, exigindo, dessa forma, procedimentos básicos para garantir a qualidade. A ingestão de água contaminada pode causar diarréias e doenças parasitárias. Caso observe alguma alteração na água da torneira (como odor e/ou coloração diferente do habitual), entrar em contato com a empresa responsável pela distribuição da água e/ou Secretaria de Saúde do seu município. Sempre filtre e ferva a água antes de beber. Caso não possa fervê-la, trate a água para consumo com hipoclorito de sódio (2,5%). Para cada litro de água que for beber, adicionar duas gotas de hipoclorito de sódio e deixar repousar por 30 minutos. É importante respeitar esse tempo de repouso para eliminar a bactéria. Se você, algum familiar ou amigo apresentar três ou mais episódios de diarreia em um intervalo de 24 horas, procure atendimento médico. Caso duas ou mais pessoas apresentem diarreia, náusea, vômito e dor abdominal depois de comer e beber alimentos da mesma origem, isso pode ser um surto. Procure a unidade de saúde mais próxima.

Cuidado com os alimentos em situação de enchentes


Durante uma situação de enchente e depois dela, é possível que os alimentos não estejam em condições adequadas para o consumo. Não consumir alimentos com cheiro, cor ou aspecto fora do normal (úmido, mofado, murcho). Leite, carne, peixe, frango, ovos crus ou malcozidos, principalmente aqueles que entraram em contato com a água de enchente. Alimentos refrigerados e que tenham ficado por mais de duas horas fora da geladeira, principalmente carne, frango, peixe e sobras. Alimentos industrializados com validade vencida. Frutas, verduras e legumes estragados ou escurecidos que entraram em contato com a água de enchente. Evite doenças seguindo as recomendações abaixo:
Alimentos com embalagem ou tampas estufadas. Alimentos embalados (vidro, lata, caixa tipo “longa vida”, plásticos) que estejam abertos e/ou danificados. Higienização com hipoclorito de sódio (2,5%) em situação de enchente. Utilize hipoclorito de sódio (2,5%) para as atividades de higienização. Obs. 1: Leia e siga as instruções da etiqueta na embalagem do produto. Obs. 2: Nunca misture o hipoclorito de sódio (2,5%) com amoníaco, nem com outros produtos de limpeza. Obs. 3: Para não se contaminar com a água da enchente ou lama, no momento da limpeza, utilize equipamentos de proteção individual (botas, luvas, máscara), caso não possua esse material, improvise com saco plástico.

Atenção especial a Leptospirose


Durante as enchentes a doença que mais se destaca é a Leptospirose, portanto, existem alguns cuidados necessários como: Evitar o contato com água ou lama de enchentes ou esgotos. Impedir que crianças nadem ou brinquem nesses locais, que podem estar contaminados pela urina dos ratos.
OBS: Pessoas que trabalham na retirada da lama e entulho devem usar botas e luvas de borracha para evitar o contato da pele com água e lama contaminadas (se isso não for possível, usar sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés). usar também um pano ou lenço limpo para cobrir a boca e o nariz. Após as águas baixarem, será necessário retirar a lama e desinfetar o local (sempre se protegendo). Lave o chão, paredes e objetos caseiros, desinfetando com água sanitária na proporção de 400 ml ou duas xícaras de hipoclorito de sódio (2,5%) ou água sanitária para 20 litros de água, deixando agir por 30 minutos.


Cuidados com a prevenção de acidentes por animais peçonhentos pós enchente

Assim como o homem, em situações de enchentes, os animais peçonhentos como serpentes, aranhas e escorpiões também ficam desabrigados e procuram abrigo em locais secos.
Os principais cuidados ao voltar para casa são: Entrar com cuidado e observar atentamente a presença de animais peçonhentos, sabendo que estes se escondem do homem; bater os colchões antes de usá-los e sacudir cuidadosamente roupas, sapatos, toalhas e lençóis; limpar o interior e os arredores da casa usando luvas, botas e calças compridas. Em caso de acidentes:
1. Lave o local da picada de preferência com água e sabão. 2. Mantenha a vítima deitada. Evite que ela se movimente para não favorecer a absorção do veneno.
3. Se a picada for na perna ou no braço, mantenha-os em posição mais elevada.
4. Não faça torniquete. Impedindo a circulação do sangue, você pode causar gangrena ou necrose.
5. Não fure, não corte, não queime, não esprema, não faça sucção no local da ferida e nem aplique folhas, pó de café ou terra sobre ela para não provocar infecção.
6. Não dê a vítima pinga, querosene, ou fumo, como é costume em algumas regiões do país.
7. Leve a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para que possa receber o soro em tempo.
8. Leve, se possível, o animal agressor, mesmo morto, para facilitar o diagnóstico.
9. Lembre-se: nenhum remédio caseiro substitui o soro antipeçonhento.
OBS: Serpentes, aranhas ou escorpiões podem estar em qualquer parte da casa, principalmente em lugares escuros.


Limpeza e desinfecção da caixa d'água



1. Feche o registro e esvazie a caixa d’água, abrindo as torneiras e dando descargas.
4. Retire a água suja que restou da limpeza, usando balde e panos, deixando a caixa totalmente limpa.
5. Deixe entrar água na caixa até encher e acrescente 1 litro de hipoclorito de sódio a 2,5% para cada 1.000 litros de água. Na falta de hipoclorito de sódio a 2,5%, poderá ser utilizada água sanitária sem alvejante e perfume.
6. Aguarde por duas horas para desinfecção do reservatório.
7. Esvazie a caixa. Essa água servirá para limpeza e desinfecção das canalizações, chão e paredes.
8. Tampe a caixa d’água para que não entrem pequenos animais ou insetos.
9. Anote a data da limpeza do lado de fora da caixa.
10. Finalmente abra a entrada de água.


Como proteger os alimentos na falta de energia


Mantenha as portas da geladeira e freezer fechadas para que a temperatura interna se conserve fria o maior tempo possível;
A geladeira conserva frios os alimentos por até quatro horas se for mantida fechada durante todo o tempo. Um f r e e z e r poderá conservar a temperatura por aproximadamente 24 horas se a porta se mantiver fechada;
Se a energia elétrica faltar por um período de tempo prolongado, aconselha-se adquirir blocos de gelo (se possível) para conservar a temperatura da geladeira a mais fria possível. Nesse período, caso se decida pelo consumo de carne, frango, peixe ou ovos refrigerados ou congelados que ainda se conservam a uma temperatura segura, é importante que cada produto seja muito bem cozido, para que se destrua qualquer tipo de bactéria de origem alimentar. O que fazer quando a energia elétrica se restaura? Verifique cada pacote de alimento congelado para avaliar se ainda estão em boas condições. Não se deve confiar no aspecto e cheiro. Vale lembrar que, se algum alimento esteve por mais de duas horas exposto à temperatura acima de 5°C, este deve ser jogado fora;



Cuidado para evitar as doenças infecciosas respiratórias


Sempre que tossir ou espirrar, proteja a boca e o nariz com um lenço de papel. É extremamente importante a lavagem das mãos e uma higiene corpórea adequada.


Previna-se do tétano acidental

Tétano, como já citado acima, é uma doença grave que pode estar presente em objetos de metal (mesmo que não esteja enferrujado), de madeira, de vidro ou mesmo no solo (pregos, latas, ferramentas agrícolas, cacos de vidro, galho de árvore, espinhos, pedaços de móveis e outros).As pessoas podem adoecer quando, acidentalmente, sofrem lesões na pele (ferimentos, cortes, perfurações) por objetos contaminados deixados no ambiente e contaminados pela bactéria.
O contato com os entulhos e os destroços podem provocar lesões na pele e, consequentemente, o adoecimento por tétano acidental. A melhor e mais segura forma de prevenção e proteção é por meio da vacinação disponível no posto de saúde. Em caso de ferimentos graves, antecipar a dose de reforço para cinco anos após a última dose. O intervalo mínimo entre as doses é de 30 dias. Mulher grávida que esteja com a vacina em dia, mas recebeu sua última dose há mais de cinco anos, precisa receber uma dose de reforço. A dose deve ser aplicada no mínimo 20 dias antes da data provável do parto. Se você não se lembra se foi vacinado, ou caso possua outras dúvidas, procure o serviço de saúde mais próximo, levando seu cartão de vacinação. Caso não possua esse cartão, informe ao profissional de saúde.

 Como agir no carro em caso de enchente


  •  Ligue o rádio para descobrir caminhos alternativos;
  • Não atravesse áreas inundadas;
  • Evite que a água chegue ao motor;
  • Diminua a velocidade e aumente a distância em relação ao carro da frente;
  • Em caso de emergência, atravesse áreas alagadas em baixa velocidade, mantendo o motor acelerado;
  • Se possível, pare o carro em um local mais alto;
  • Se o nível de água continuar a subir, todos devem sair do carro e procurar um lugar seguro para esperar a chuva passar;
  • Não atravesse áreas alagadas atrás de outro veículo;
  • Para secar o freio, utilize-o algumas vezes. Freios molhados podem falhar;
  • Dirija com cuidado, pois as vias molhadas ficam escorregadias;
  • Fique atento: a água impede que você veja buracos e bueiros sem tampa;
  • Para se prevenir: conheça os pontos mais altos que ficam próximos do caminho que você normalmente faz;

Como agir na rua em caso de enchente


  • Se você estiver num local seguro, não saia e aguarde a ajuda dos bombeiros;
  • Não vá para áreas de risco, isso dificulta o possível resgate;
  • Em casos de chuva com ventos fortes, fique atento: há risco de queda de árvores, fios, postes e semáforos;
  • Cuidado especial com as crianças. Os adultos devem acompanhá-las e segurá-las pelos pulsos durante todo o período de enchentes;
  • Se precisar atravessar ruas alagadas, tome cuidado, procure muros e paredes para usar de apoio. Uma corda segurada por 3 pessoas ou mais também serve;
  • Cuidado com a correnteza das águas: além do risco de ser arrastado, objetos grandes que estão sendo levados podem bater em você.

FONTES
Por
Juliane Garcia Ferreira
Lilian Ramos Guimarães
Soraya Martines Siqueira













segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

CUIDADOS NO VERÃO


SOL FORTE, CLIMA QUENTE 
No verão a incidência de raios solares é mais forte e as pessoas costumam se expor mais ao sol. Por isso que nessa estação o corpo merece uma atenção redobrada, pois o sol em excesso pode causar danos, como, desidratação, envelhecimento da pele, promove rugas e manchas, queimaduras e até mesmo câncer de pele, além disso pode danificar os cabelos. 

INSOLAÇÃO

A pressa para pegar bronze no verão nem sempre dá certo. Tomar sol demais e deixar a pele desprotegida pode causar insolação.



O que é Insolação:

Acontece quando o organismo fica incapacitado de controlar sua temperatura. Quando a pessoa tem insolação, sua temperatura corporal aumenta rapidamente, o mecanismo de transpiração falha e o corpo fica incapacitado de se resfriar. A temperatura corporal de uma pessoa com insolação pode subir até 41 graus, ou mais, em 10 a 15 minutos. Insolação pode causar morte ou incapacitação permanente se o tratamento de emergência não for providenciado.



Dias Nublados:

O cuidado também é essencial em dias nublados. Com as nuvens escondendo o sol intenso, o nível de radiação solar chega a 70% do normal. Isso significa que cuidar da pele e evitar o exagero têm de ser esforços diários.


O que pode acontecer quando a pessoa é submetida ao intenso calor:

Pessoas podem sofrer de problemas de saúde relacionados ao calor quando o sistema de controle de temperatura do corpo é sobrecarregado. O corpo geralmente se resfria com a transpiração. Porém, em algumas circunstâncias, somente a transpiração não é suficiente. Nesses casos, a temperatura corporal da pessoa pode subir rapidamente. Temperaturas corporais muito altas podem danificar o cérebro e outros órgãos vitais. Vários fatores afetam a capacidade do organismo de se resfriar durante o calor forte. Quando a umidade está alta o suor não evapora tão rápido, o que impede que o corpo libere calor mais rapidamente. Outras condições que podem limitar a capacidade de regular a temperatura incluem idade muito nova (0-4 anos), obesidade, febre, desidratação, doenças cardiacas, circulação ruim, queimaduras solares e uso de alguns remédios e álcool.

Sinais e Sintomas:

Os sinais de alerta de insolação variam, mas podem incluir:
  • Desidratação e queimadura da pele;
  • Temperatura corporal muito alta (acima de 39,5 graus);
  • Pulsação rápida e forte;
  • Falta de ar;
  • Dor de cabeça latejante;
  • Tontura;
  • Náusea e vômitos;
  • Confusão;
  • Inconsciência.
OBS: Sem contar o envelhecimento precoce e o aumento em 25 vezes da chance de a pessoa desenvolver câncer de pele, no caso de haver queimadura.

O que fazer ao notar alguém com sinais de Insolação:

Caso perceba que alguém apresente sinais de Insolação, comunicar atendimento médico de emergência enquanto você resfrie a vítima. Fazendo o seguinte:
  • Leve a vítima de insolação para um lugar com sombra;
  • Resfrie a vítima rapidamente, através de qualquer método disponível. Por exemplo, coloque a pessoa numa banheira com água fria ou sob ducha gelada;
  • Monitore a temperatura corporal da pessoa e continue seus esforços para resfriá-la até que a temperatura chegue abaixo de 39 graus;
  • Se o atendimento médico de emergência demorar, ligue para os hospitais para receber mais instruções;
  • Não dê bebida alcoólica para a vítima;
  • Obtenha assistência médica o mais rápido possível.


Para prevenir danos a sua saúde, alguns cuidados devem ser tomados:


Cuidados com a pele no verão


Entre os raios solares que mais prejudicam a pele, o ultravioleta e o infravermelho estão entre os principais. Responsáveis pelo bronzeamento, os raios ultravioleta são mais intensos entre 10h e 16h (11h e 17h, no horário de verão). Os raios infravermelho, que também podem provocar insolação, são responsáveis pelo aumento da temperatura do dia, pelo calor.

O protetor solar é essencial na exposição ao sol, e se deve lembrar também de ficar ao sol nos horários certos. Essas precauçãoes evitam queimação na pele, ardência e até mesmo o câncer de pele. Mas é importante lembrar que os cuidados devem se estender para o resto do ano. O uso do Filtro Solar deve ser diário, com FPS (Fator de Proteção Solar) 30 para peles mais morenas e 45 para as peles mais claras, não esquecendo de passar nos pés e nas mãos. O recomendado é que o filtro seja aplicado a cada duas horas. Também é preciso prestar atenção ao tipo de pele, peles oleosas devem optar por filtros solares oil free ou gel, as peles secas em creme, e as mistas em emulsão.  

  
Hidratação perfeita para a pele
Para hidratar e cuidar mais da pele, lave-a sempre muito bem, e compre cremes com propriedades hidratantes, e passe-as no rosto, já no resto do corpo passe óleo de amêndoas e deixe sua pele saudável e limpa. Lembrando que como a pele tende a ficar ressecada quando exposta ao sol, os banhos quentes prolongados devem ser evitados.



Durante o clima quente é necessário adquirir uma boa alimentação como, comer verduras e legumes, aumentar a ingesta líquida, repondo os sais minerais independente do nível de atividade, ingerindo mais líquidos do que sua sede sinalizar, isso pode deixar sua pele bem macia e hidratada;
Ao praticar exercícios vigorosos no calor, beber 2 a 4 copos de fluidos gelados a cada hora;
Evitar bebidas alcoólicas porque elas o farão perder mais líquidos;
Usar roupas apropriadas, usar protetor solar, evitar realizar atividades rigorosas no calor, procurar ficar fora do ar livre quente e escolher as atividades ao ar livre com cuidado.



Cuidados com os cabelos no período do verão
O sol de certa forma acaba danificando os cabelos, deixando-os ressecados, com pontas duplas e opacas.  Para proteger seus fios sigam algumas dicas: use sempre boné, chapéu ou lenços; use produtos com FPS (Fator de Proteção Solar); faça uma hidratação nos cabelos diariamente; passe sempre creme nos fios e não fique em ambientes que a faça transpirar muito. Procure não deixar o cabelo muito exposto ao sol, pois mesmo com todos os cuidados o seu cabelo não irá resistir.  


Depois de se expor ao sol é recomendável os produtos pós-sol e hidratantes que dão frescor e, além disso, evita o ressecamento e a descamação da pele.  Em caso de queimaduras use loções calmantes que diminuem a sensação de dor. Produtos muitos gordurosos, agressivos ou os que contêm álccol devem ser evitados.


No verão a temperatura é muito elevada , e isso faz com que muitas pessoas que querem ficar com mais saúde fazer exercícios físicos, a prática inadequada de exercícios físicos podem gerar consequências graves. Então aqui vai algumas dicas para praticar exercícios no verão sem problema algum: primeiramente, evite fazer exercícios quando acabar de comer, e de preferência nada de ficar muito exposto ao sol mais forte, procure ir a praia por exemplo de manhanzinha ou a tardezinha; não exagere, respeite seus limites. De preferência procure um médico, ele vai poder lhe explicar melhor a quantidade de exercicíos que você poderá fazer por dia.  



ASSISTA O VÍDEO: CUIDADOS COM A PELE NO VERÃO




FONTE:


Por:
Juliane Garcia Ferreira

Lilian Ramos Guimarães Nunes

Soraya Martines Siqueira







quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

VERÃO SEM DENGUE

O número de casos de dengue no Estado de São Paulo aumentou quase 2.000% de acordo com dados do Ministério da Saúde em novembro de 2010 foram registrados 201.312 mil ocorrências até o mês de Outubro de 2010, sendo que em todo o ano de 2009 foram 9.710. Dados da Secretaria apontam que 80% do total de casos registrados no primeiro semestre deste ano referem-se a 50 dos 645 municípios paulistas. A Secretaria Estadual de Saúde também informou que o número de casos de dengue no estado de São Paulo está diretamente ligado a maior incidência de chuvas em 2010, especialmente nos três primeiros meses do ano, aliado as temperaturas elevadas.

Aedes aegypti - (Foto: Genilton Vieira/IOC/Fiocruz)
O QUE É A DENGUE
A dengue é uma doença infecciosa febril aguda causada por um vírus da Família Flaviridae e é transmitida através do mosquito Aedes aegypti infectado, existem duas formas da dengue se apresentar Dengue Clássica e Dengue Hemorrágica. Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública de todo o mundo.


MODO DE TRANSMISSÃO
A dengue é transmitida pela picada da fêmea do Mosquito Aedes aegypti  ou Aedes albopictus (ambos da família dos pernilongos) infectados com o vírus transmissor da doença.
A transmissão nos mosquitos ocorre quando ele suga o sangue de uma pessoa já infectada com o vírus da dengue. Após um período de incubação, que inicia logo depois do contato do pernilongo com o vírus e dura entre 8 e 12 dias, o mosquito está apto a transmitir a doença.
Nos seres humanos, o vírus permanece em incubação durante um período que pode durar de 3 a 15 dias. Só após esta etapa, é que os sintomas podem ser percebidos.
É importante destacar que não há transmissão através do contato direto de um doente ou de suas secreções com uma pessoa sadia. O vírus também não é transmitido através da água ou alimento.

SINAIS E SINTOMAS
Dengue Clássica: 
  • Febre;
  • Moleza;
  • Cansaço;
  • Dores no corpo (sobretudo nas articulações), nos olhos;
  • Cansaço;
  • Perda de apetite e paladar;
  • Náuseas, tonturas e vômitos;
  • Dor de cabeça;
  • Podem também aparecer manchas vermelhas pelo corpo e, em alguns casos, sangramento, principalmente nas gengivas.
Dengue Hemorrágica, os sintomas são os mesmos, mas a diferença é quando a febre acaba surgem os primeiros sinais de alerta, que são:
  • Dores abdominais fortes e contínuas ;
  • Vômitos persistentes;
  • Pele pálida, fria e úmida, às vezes com manchas vermelhas;
  • Sangramento pelo nariz, boca e gengivas;
  • Sonolência, agitação e confusão mental;
  • Sede excessiva e boca seca;
  • Pulso rápido e fraco;
  • Dificuldade respiratória;
  • Perda de consciência;
Na Dengue Hemorrágica o quadro clínico se agrava muito rápido e pode levar a pessoa à morte em até 24 horas por insuficiência circulatória e choque. De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, cerca de 5% das pessoas com dengue hemorrágica morrem. 

PREVENÇÃO
A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.




DICA DE COMBATE AO MOSQUITO DA DENGUE
A receita é prática e simples e não envolve uso de venenos ou inseticidas perigosos à saúde humana ou dos animais. A proliferação do mosquito da espécie Aedes aegypti, que transmite a doença, pode ser combatida colocando-se borra de café nos pratinhos de coleta de água dos vasos, nos pratos dos xaxins, entre as folhas das plantas que acumulam água, como as bromélias e nos locais da casa em que a água se acumula e fica parada, como ralos. O único trabalho que você terá é colocar aquele pó úmido que resta depois do café ser coado. 
A descoberta que revelou que a borra de café combate com eficiência o Aedes aegypti é da cientista e bióloga Alessandra Laranja. Ela é pesquisadora do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), campus de São José do Rio Preto. Os testes realizados em laboratório comprovaram que a borra de café - que fica depositada no coador, é uma arma muito eficiente contra o mosquito transmissor da dengue. A borra depositada nos pratinhos e reservas de água de plantas impede que o mosquito transmissor da dengue ponha seus ovos. 
  • Para fazer a solução que pode ser aplicada em pratos, plantas ou até mesmo jardins e hortas que acumulem água você vai precisar de 2 colheres das de sopa de borra de café misturadas em meio copo de água. Depois de pronto você já pode começar a aplicar o conteúdo. Se precisar de mais, faça sempre na proporção indicada, ou seja, 2 colheres de borra de café para cada meio copo de água.
  • Outra receita com a borra de café é usá-la diretamente nos vasos, sem a diluição em água. Desta maneira você estará também adubando de forma ecológica as plantas. A diluição da borra de café vai acontecer naturalmente, na medida em que a planta for regada.
  • Não se esqueça que a borra de café pode ser aplicada também em outros locais da casa que acumulem água como, por exemplo, nos ralos e até mesmo na terra do jardim ou poças que se formam com a água da chuva.
 
FONTE
Por:
Soraya Martines Siqueira

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

HANSENÍASE


De acordo com a Secretaria do Estado de Saúde, dia 26 de janeiro é considerado o dia Mundial de Combate a Hanseníase.

O QUE É HANSENÍASE?
 É uma doença causada por um micróbio chamado Bacilo de Hansen (Mycobactérium Leprae),  que ataca normalmente a pele, os olhos e os nervos. Conhecida como Lepra, Morféia, Mal-de-Lázaro, Mal-da-Pele ou Mal-do-Sangue. Não é hereditária e sua evolução depende de características do sistema imunológico da pessoa que foi infectada.

TRANSMISSÃO
A trasnmissão se dá de indivíduo para indivíduo, por germes eliminados por gotículas da fala que são inalados por outras pessoas penetrando o organismo pela mucosa do nariz. Outra possibilidade é o contato direto com a pele através de feridas de doentes. No entanto, é necessário um contato íntimo e prolongado para a contaminação, como a convivência de familiares na mesma residência. Daí a importância do exame dos familiares do doente de hanseníase.

SINAIS E SINTOMAS
  • Sensação de formigamento, fisgadas ou dormência nas extremidades;
  • Manchas brancas ou avermelhadas, geralmente com perda da sensibilidade ao calor, frio, dor e tato;
  • Áreas da pele aparentemente normais que tem alteração da sensibilidade e da secreção de suor;
  • Caroços e placas em qualquer local do corpo;
  • Dimunição da força muscular (dificuldade para segurar objetos).

TRATAMENTO
A hanseníase tem cura. O tratamento é feito nas Unidades de Saúde e é gratuito. A cura é mais fácil e rápida quanto mais precoce for o diagnóstico. O tratamento é via oral constituído pela associação de dois ou três medicamentos e é denominado poliquimioterapia, devendo ser tomado todos os dias em casa e uma vez por mês no Serviço de Saúde

PREVENÇÃO
É importante que se divulgue junto a população os sinais e sintomas da doença e orientá-la a observar diariamente seu corpo (braços e mãos, pernas e pés, rosto, orelhas, nariz, costas e nádegas) procurando identificar alguma alteração, se positivo, procurar imediatamente um Serviço de Saúde. A prevenção baseia-se no exame dermato-neurológico e aplicação da Vacina BCG em todas as pessoas que compartilham o mesmo domicílio com o portador da doença.

OBS: Somente o médico pode diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis possuem apenas caráter educativo.

FONTE
  • Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Glossário de doenças: Tópicos de A - Z.
  • Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde.
Por: 
Lilian Ramos Guimarães
Soraya Martines Siqueira