domingo, 2 de outubro de 2011

TUDO SOBRE ALEITAMENTO MATERNO

        


        O leite materno é completo. Isso significa que até os 6 meses o bebê não precisa de nenhum outro alimento (chá, suco, água ou outro leite). Depois dos 6 meses, a amamentação deverá ser complementada com outros alimentos. Você pode continuar amamentando até 2 anos ou mais. O leite materno funciona como uma verdadeira vacina, protegendo a criança de muitas doenças. Além disso, é limpo, está sempre pronto e quentinho. Isso sem falar que a ama­mentação favorece um contato mais íntimo entre a mãe e o bebê.
    A amamentação também traz muitos benefícios para a mãe:
- reduz o peso mais rapidamente após o parto;
- ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemorragia e de anemia após o parto;
- reduz o risco de diabetes;
- reduz o risco de câncer de mama;
- se a amamentação for exclusiva, pode ser um método natural para evitar uma nova gravidez.

" A amamentação pode ser uma experiência muito gratificante para a mãe e para o bebé, com benefícios para a saúde física e mental de ambos. O leite materno é um alimento vivo, adaptável às necessidades fisiológicas e imunitárias do bebé, em cada momento da sua vida

 Como tornar a amamentação mais tranqüila e prazerosa:    

      Nos primeiros meses, o bebê ainda não tem um horário para mamar. Dê o peito ao seu filho sempre que ele pedir. Com o tempo, ele vai fazendo seu horário de mamadas.
Antes de começar a dar de mamar, lave as mãos.
- a melhor posição para amamentar é aquela em que você e o seu bebê se sentirem mais confortáveis. Não se apresse, deixe o bebê sentir o prazer e o conforto do contato com seu corpo;
- cada bebê tem seu próprio ritmo de mamar, o que deve ser respeitado. Dei­xe-o mamar até que fique satisfeito. Espere que ele esvazie bem a mama e então ofereça a outra, se ele quiser.
- o leite do fim da mamada tem mais gordura e por isso mata a fome do bebê e faz com que ele ganhe mais peso;
- na primeira mama, o bebê suga com mais força porque está com mais fome e assim esvazia melhor essa mama. Por isso, sempre comece com aquela que terminou a última mamada, para que o bebê tenha a oportuni­dade de esvaziar bem as duas mamas, o que é importante para a mãe ter bastante leite.


"Descansar, mas também caminhar ao ar livre, alimentar-se de forma saudável e evitar o consumo de substâncias nocivas, são comportamentos favoráveis à sua saúde e da sua família. A partilha de  tarefas pode ser gratificante, num período tão mágico mas tão cheio de desafios"

Posição Correta e " pega"
Amamentação em gêmeos

Amamentação em uma criança

Forma correta da "pega"


Problemas durante a amamentação:
Rachaduras no bico do seio:

As rachaduras aparecem quando a criança não está pegando bem no peito da mãe. Se a pega do bebê não estiver correta, procure corrigi-la. Se o peito estiver muito cheio, tornando a mamada difícil, retire um pouco do leite antes, para ajudar o bebê a mamar. Se não houver melhora, procure ajuda num serviço de saúde.

Seios empedrados:

Quando isso acontece, é preciso esvaziar bem os seios. Não deixe de amamentar, ao contrário, amamente com freqüência, sem ho­rários fixos, inclusive à noite. Retire um pouco de leite antes de dar de mamar, para amolecer a mama e facilitar para o bebê pegar o peito. Se houver piora, procure ajuda num serviço de saúde.

Pouco leite:

Para manter sempre uma boa quantidade de leite, amamente com freqüên­cia, deixando o bebê esvaziar bem o peito na mamada. Não precisa oferecer outro alimento (água, chá, suco ou leite). Se o bebê dorme bem e está ganhando peso, o leite não está sendo pouco.

Leite fraco:

 - não existe leite fraco! Todo leite materno é forte e bom. A cor do leite pode variar, mas ele nunca é fraco;
- nem todo choro do bebê é de fome. A criança chora quando quer aconche­go, quando tem cólicas ou sente algum desconforto;
- sabendo disso, não deixe que idéias falsas atrapalhem a amamentação.



" A adaptação entre mãe e filho é progressiva.
O bebe já tem características e aptidões próprias quando nasce. Ele precisa de alimento e cuidados, repouso e segurança, mas também, de se sentir amado e compreendido. A amamentação pode facilitar esta adaptação e a vinculação entre os dois "

Vantagens para o bebê:

Crianças que mamam têm menos risco de sofrer de doenças respiratórias, infecções urinárias ou diarréias, problemas que podem levar a internações e até à morte. O bebê amamentado corretamente, no futuro terá menos chance de desenvolver diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares.

Vantagens para a mãe:

A mulher que amamenta corre menos risco de contrair câncer de mama e de ovário. Amamentar também ajuda a mulher a voltar ao peso normal mais rápido.

Doação de leite materno:

O leite materno armazenado nos bancos de leite humano é utilizado para atender bebês prematuros ou doentes que não conseguem se alimentar diretamente no seio materno. O Brasil possui a maior rede de bancos de leite humano do mundo, são 186 no país todo!

Quem pode doar:

- Para ser doadora de leite materno a mulher deve estar plenamente saudável. Mães portadoras de doenças infecto-contagiosas, como AIDS, não podem nem mesmo amamentar seus próprios filhos com o risco de contaminá-los;
- A doadora não pode fumar, beber ou tomar medicamentos;
- Antes da possível coleta, a doadora deve mostrar seu cartão de pré-natal e passar por uma avaliação clínica;
- Em alguns municípios a coleta pode ser feita em casa; a mãe telefona para o serviço responsável e os profissionais vão até ela recolher o leite;
- Ao chegar ao banco, o leite passa por um rigoroso controle de qualidade, sendo pasteurizado para eliminar bactérias e vírus



Orientações Para Profissionais:

       O Aleitamento Materno é o método óptimo de alimentação de recém nascidos e crianças pequenas,
proporcionando um alimento natural, especialmente preparado (específico de espécie), com as características nutricionais que permitem crescimento e desenvolvimento saudáveis. O leite humano é um alimento com propriedades anti infecciosas e imunológicas que conferem protecção para numerosas doenças. O aleitamento materno aumenta a saúde física e emocional da mulher e da criança e apresenta vantagens económicas, ambientais e sociais.Amamentar é uma arte que se aprende. Algumas mães amamentam com facilidade, não se confrontando com problemas, mas outras encontram muitas dificuldades e muitas contrariedades que impedem o sucesso da amamentação. Estas mulheres precisam de apoio, aconselhamento e ajuda prática e não dispõem, como era habitual, de pessoas experientes à sua volta, não vêem outras muitas vezes a dar de mamar, não têm modelos e pelo contrário podem, até, ser muito desencorajadas.
      Tradicionalmente aprendia-se com a mãe, a avó, com irmãs mais velhas, vizinhas ou amigas, mas hoje, por diversos motivos, é mais difícil encontrar alguém a quem recorrer e a quem pedir apoio e ajuda. Por isso, os profissionais de saúde têm que desempenhar esse papel de amigos, conselheiros, confidentes.As mães respeitam os profissionais de saúde, procuram-nos e confiam nas informações e no apoio por eles disponibilizado, e isto também se aplica no caso do aleitamento materno. Os conhecimentos, as atitudes e práticas dos profissionais assim como as suas capacidades para lidar com os problemas podem influenciar muito no sucesso ou insucesso da amamentação, e para isso é necessária formação apropriada.
     Contudo, nem sempre  a formação é a mais adequada e os profissionais baseiam-se muitas vezes no que ouviram, no que aprenderam com os outros (mais velhos), na sua própria experiência ao longo do tempo. Todos os profissionais de saúde devem obter formação em aleitamento materno e actualização constante dos vários aspectos com ele relacionados. Seja médico (pediatra, obstetra, médico de família), enfermeira (parteira, de cuidados familiares) ou outro profissional deve adquirir conhecimentos teóricos, práticos e capacidades de aconselhamento às mães; deve adquirir conhecimentos sobre as vantagens do aleitamento materno, a fisiologia, técnica de amamentação assim como as situações mais comuns com que se pode confrontar na sua prática profissional diária. A atitude perante o aleitamento materno deve ser profissional, porque é um tema profissional. Não é suficiente a experiência pessoal, seja ela qual for, tal como acontece com outros assuntos da prática habitual dos profissionais. É um assunto que requer formação adequada, organizada, contínua.
     Este sítio não pretende substituir-se a uma formação organizada e contínua nos Serviços de Saúde, mas sim constituir uma peça da formação e uma âncora de auxílio, com informação prática sobre como ajudar as mulheres, prevenir problemas e resolvê-los se acontecerem. Pretende contribuir para que os profissionais de saúde partilhem de informação atualizada, com uma vertente prática, com conhecimentos, atitudes e uma linguagem comum a todos.



Por: Juliane Garcia Ferreira
        Lilian Ramos Guimarães
        Soraya Martines Siqueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário